Páginas

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Empresas que apoiam o casamento gay o fazem com objetivos meramente econômicos

Antes que algum fundamentalista diga que estou "legislando em causa própria" - tem gente aí capaz de tudo - quero dizer que como teólogo e pastor evangélico sou contra o casamento de pessoas do mesmo sexo. As causas são diversas e não vou expô-las aqui, pois este não é o objetivo deste artigo. Esta minha posição é bem clara. Ao mesmo tempo - se alguém entender como paradoxal, não tem problema - sou contrário a qualquer forma de expressão ou ação que vise humilhar, segregar ou marginalizar qualquer pessoa por suas opções sexual, política, religiosa, ideológica, etc. Por exemplo, não concordo com a doutrina do candomblé, acredito não haver respaldo bíblico para as suas afirmações. No entanto, recentemente conversei com um colega de trabalho aprofundado em religiões africanas e pude fazer alguns paralelos entre as ideias da sua religião e alguns mitos, assim como vejo paralelo mitológico em alguns pontos da teologia cristã - católica, protestante ou evangélica. Acredito que saímos enriquecidos da conversa. SOU A FAVOR DO DIÁLOGO.

Mas indo para o foco desse artigo, que é o boicote proposto pelo pastor Silas Malafaia ao Boticário, quero dizer também sou contrário a movimentos que se arvoram como paladinos da justiça divina, tentando manipular a opinião coletiva através, entre outras formas, de boicote a empresas. Ao meu ver esse movimento é, no mínimo, insano. Há uma infinidade de empresas nacionais e de outros países que se posicionam favoráveis a este tipo de relacionamento. Se não, vejamos:

Apple, Microsoft, Google, HP, Intel, Facebook, Coca-Cola, Pepsi (não se esqueça de que a Pepsi também comercializa toda a linha de salgadinhos Elma Chips, além de H2O e Toddy), Starbucks, Visa, Master, Gillette, Twitter, Xerox, Ford, McDonalds, Mastercard, United Airlines. Estas organizações fazem parte de uma lista de 397 empresas que inclusive estão pressionando a Suprema Corte a legalizar o casamento gay (Fonte: Economia UOL, disponível em: http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/06/01/opiniao-quer-boicotar-empresas-que-apoiam-lgbts-feche-a-conta-no-facebook.htm, acessado em 04/06/15). A Coca-Cola, preferência nacional no nosso meio evangélico, divulga nova campanha com casal gay e seu bebê. Com o slogan "Nós escolhemos a felicidade sobre a tradição", marca apresenta seu novo anúncio pelas ruas de cidades na Holanda, onde um casal gay brinca com seu adorável bebê. O anúncio está em estacionamentos e em edifícios espalhados por todo o país. (Fonte: Catraca livre, disponível em https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/coca-cola-divulga-nova-campanha-com-casal-gay-e-seu-bebe/, acessado em 04/06/15).

Se é para boicotar, é justo que boicotemos todas elas. Ocorre que vivemos num sistema econômico globalizado e sistêmico que torna impossível a vida social sem boa parte dos produtos destas multinacionais. Dê uma olhada em cada uma das marcas acima e tente se imaginar sem boa parte delas. Eu, por exemplo, não tenho Apple, mas não escapo da Microsoft. Já imaginou o mundo ocidental (acho que oriental também) sem o Google? Neste momento eu e você estamos usando o Blogspot, que um produto da marca Google!

Ao propor um boicote evangélico ao Boticário, Silas Malafaia acabou promovendo ainda mais a marca e o comercial que ele não gostaria que fosse ao ar. Os publicitários que desenvolveram a peça comercial devem estar comemorando, pois alcançaram seu principal objetivo: divulgar seu produto para o Dia dos Namorados, principalmente através do Youtube (o mesmo canal utilizado pelo pastor para protestar), onde até às 11 horas desta sexta-feira (05), 351 mil pessoas votavam a favor, e 183 mil contra, com mais de dois milhões e 800 mil visualizações.

Mas, que o movimento LGBT não se engane achando que essas centenas empresas defendem a "causa gay" por sentimentos nobres de inclusão e igualdade entre as pessoas. As multinacionais globalizadas veem no segmento LGBT um nicho de mercado que lhes interessa. Ou seja, a postura é puramente capitalista. As estratégias do capitalismo são muito mais eficazes do que pensamos. Não acredito que a Coca-cola queira somente escolher "a felicidade sobre a tradição" - até porque é possível ser feliz e infeliz tanto nos modelos tradicionais quanto nos progressistas. O que a Coca-cola quer é disputar mercado entre os homossexuais. Que os gays não se deixem enganar, achando que a Boticário apenas acredita "na beleza das relações", abordando "com respeito e sensibilidade a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor", como afirma na sua nota em resposta à tentativa de boicote. Suas motivações são outras. Ela está de olho no mercado formado pelos homossexuais, que, verdade seja dita, não é pequeno.